segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

Frágil

Há dias menos bons, dias assim-assim, dias sem nada para contar. Há dias em que me apetece chorar, chorar o tempo todo, dias em que não quero estar para ninguém, dias em que tudo me parece estranho, em que não me apetece falar. Há dias em que sinto que ao mínimo toque parto-me, desfaço-me em mil pedacinhos, dias em que estou frágil. É isto, estou e sinto-me frágil. Como na música. Estou a chegar àquela altura que ouvia verbalizar a todas as mães: querer chegar a todo o lado e não o conseguir fazer. Preciso de tempo para estar com a minha filha, com o meu mais que tudo. Preciso de preparar aulas para a escola, pesquisar atividades e fazer coisas diferentes. Preciso de tempo para mim, sozinha, para as minhas coisas. Preciso de organizar as compras, os talões de desconto, ver as promoções. Preciso de cozinhar, de me alimentar de forma mais saudável, de encontrar receitas vegetarianas. Preciso que não me doam as costas e as pernas todos os dias. Preciso de fazer exercício físico, de correr. Preciso de me sentir bonita. De comprar alguma roupa para mim. Preciso de não sentir este cansaço constante (e a ano ainda agora começou). Preciso de parar, de chorar e ter apenas uma mão no ombro. Preciso de ser eu própria, sem rodeios ou justificações. Preciso de estar bem para estar bem com os outros. Preciso de agir, de arranjar motivação e inspiração. 

 inspiro
 expiro

Amanhã é outro dia. É segunda - feira, mas não faz mal.

domingo, 14 de Setembro de 2014

Novas rotinas

Setembro é o mês de voltar às rotinas. Para mim e agora que temos uma bebé, é um mês para descobrir novas rotinas. 
Tinha algum receio da adaptação da Carolina à creche mas, felizmente, tem-se revelado um processo natural e calmo. Nos primeiros dias, no fim de agosto, só esteve duas horas da parte da manhã; mais tarde foi ficando mais uma ou duas horas e nestes últimos dias já tem feito o horário normal. Fica sempre bem quando a deixo e se nos dois primeiros dias choramingou quando a ia buscar, agora larga um sorriso de felicidade que me deixa enternecida. Todos os dias falo com a educadora e só me tem dito coisas boas: dorme e come bem, palra muito e brinca bastante. Refila quando os adultos se afastam um pouco e choraminga um bocadinho quando ouve os gritos de outros bebés. Nada de anormal, portanto. Começo a estar mais tranquila e só o facto da creche estar a 3 minutos de carro do meu local de trabalho, é meio caminho andado para andar mais descansada. 
Em casa as rotinas tiveram que mudar: os horários da Carolina mantiveram-se, nós é que tivemos de nos organizar de outra forma para conseguir chegar a tudo o que é necessário. Apesar de sair mais cedo da escola devido à hora de amamentação, ainda tenho a coordenação do estabelecimento para fazer e preciso também de tempo para preparar as aulas. Este ano não posso preparar nada na escola, restam-me as noites durante a semana e os fins de semana... veremos como tudo vai correr: Até agora tenho conseguido gerir mais ou menos os dias mas a partir de amanhã tudo é mais rigoroso em termos de horários. 
Para além do cansaço de quem não dorme 7 horas por dia, as minhas pernas e pés têm-se ressentido e ao fim do dia estou cheia de dores, apesar das massagens dadas pelo R. Acho que precisava de alguma coisa que me aliviasse mas não posso colocar nada  visto ainda dar de mamar. Dormir de pernas para cima também não é solução pois simplesmente não consigo adormecer e os duches de água fria só aliviam na hora. Só espero que passe e já dou por mim a desejar que venha o tempo mais fresco. Estou fartinha deste calor esquisito!
Amanhã começam as aulas e diga-se em abono da verdade, estou com saudades dos meus alunos. 
Bom ano letivo para todos!

segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Um post com tomates


O tomate que trouxe da horta do meu pai já amadureceu bem. E agora? Compota de tomate para o ano inteiro ou molho de tomate para uns meses?

domingo, 31 de Agosto de 2014

...

Agosto não foi propriamente um mês fácil. Sim, estive de férias, mas estas foram as férias mais cansativas que tive. Foram também as melhores. Estranho, não? Fui um dia à praia. Um dia. Não que me faça muita falta, mas acho que mais dois ou três dias não tinham calhado mal. Também passei um dia maravilhoso na praia fluvial de Valhelhas com o meu mais que tudo, a filhota e alguma família e foi tão bom que nem me lembrei de pegar na máquina fotográfica. A Carolina esteve com os avós, os bisavós, tios e primos e nos nos outros fins de semana também andou a ver restante família. Saímos muito e isso cansou-me, trocou-me os horários, deixou-me mesmo exausta. Muitas dores nas pernas e nas costas e poucas horas de sono. Afinal, já não tenho a resistência que tinha e esqueço-me disso. Quero chegar a todo o lado, fazer tudo e ao fim do dia, estou ko. 
Amanhã começa o meu ano novo. Outras rotinas e outros horários esperam-nos e estou farta de pensar nisso, receosa até. Tenho algum medo de não me aguentar no trabalho com duas funções acumuladas, tenho algum medo de deixar a Carolina demasiado tempo na creche naqueles dias mais complicados, tenho medo de perder o crescimento dela, os pormenores que até agora conseguia ver todos os dias. Tenho medo de não me organizar em casa como gostaria, de me esquecer de coisas importantes. Se este mês foi difícil, Setembro não será muito diferente mas tudo entrará nos eixos porque tem mesmo de ser assim. Mas vá... é tempo de deixar de pensar nisto e entrar amanhã com o pé direito. Que tudo nos corra bem, é o que desejo.

...

(...) Quando nascem os filhos as mães contam que são assoberbadas por um amor inexplicável, e os filhos? Também nós filhos somos vitimas deste amor inexplicável que sentimos pelas mães, tal como não consigo explicar o amor que sinto pelo meus filhos muito menos consigo explicar o amor que sinto pela minha mãe (...)

Do blogue Crónicas de uma grávida acamada

quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

O primeiro dia

Foi hoje. Hoje foi o primeiro dia em que deixei a minha bebé na creche durante duas horas e meia. Andei a mentalizar-me a sério nas últimas semanas. Senti crescer dentro de mim um medo tão grande e diferente de qualquer coisa que já tivesse sentido, algo de tão avassalador que me fazia ter vontade de chorar a toda a hora. Passou. Mentalizei-me e deixei que a razão ficasse do meu lado. Ontem, depois de uma conversa com a educadora  fiquei mais tranquila.
Hoje de manhã despedi-me e a Carolina nem olhou para mim, estava demasiado absorvida com tudo aquilo que via - as outras crianças, os brinquedos, as caras novas, as cores e o espaço. Saí tranquila, sem voltar para trás e só liguei para o colégio a avisar que me tinha esquecido da fruta do almoço. Andei a tratar de outros assuntos enquanto fazia tempo para a ir buscar - comprar lençóis para a cama de grades e alguma roupa prática que já lhe fazia falta. Ainda andei a dar uma vista de olhos às novas coleções de mulher mas não houve nada que me chamasse a atenção.
Entretanto as duas horas e meia já tinham passado e fui busca-la. Quando cheguei recebeu-me com um sorriso enorme e começou logo a levantar os braços. Parece que ainda conseguiu dormir de manhã e comeu muito bem o almoço. Não chorou e esteve bem disposta. Esperemos que os próximos dias corram tão bem como o de hoje. :)

sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Gelatinas

Nunca fui grande apreciadora deste produto e há uns bons anos, quando descobri que era feita, nunca mais lhe toquei  :S
Há uns meses comecei a consumir gelatina Alsa, a única gelatina vegetal vendida em supermercados. Claro que tem de ter algumas desvantagens e a quantidade de açúcar que possui deixa muito a desejar.
Entretanto descobri estas gelatinas da marca Condi e estou desejosa de as experimentar. Provavelmente até têm a mesma quantidade de açúcar mas... sempre se varia mais nos sabores.

...


Devia escrever mais, escrever para não esquecer. Por muito que queira, há pormenores que se  perdem, coisas que passam ao lado, dias dos quais não nos lembramos tão bem. 
A Carolina já está com seis meses e meio e não escrevi muito sobre ela, sobre os nossos dias. Acorda sempre com um sorriso nos lábios. Quando lhe peço um beijinho, abre a boca e encosta-a à minha cara e eu acredito que me dá mesmo um beijo mesmo que ela ainda não perceba o que é. Falo-lhe no Sushi e ela olha para baixo, à procura dele, mexe muito as pernas e dá gritinhos quando o encontra. Ele tem medo... olha-a com algum receio mas já se aproxima um bocadinho mais. Tudo a seu tempo. 


Num instante começou a rebolar para um lado e para o outro. Gosta de dormir de barriga para baixo mas agora já consegue virar bem a cabeça. A primeira vez que o R. a encontrou assim, teve um susto de morte: tinha a cara espalmada contra o colchão e, no entanto, dormia tranquilamente. Desde que nasceu que mama bem e tenciono continuar a amamenta-la até poder. Gosta muito de festinhas nas pernas e delicia-se com o banho. Sorri muito e sorri para quase todas as pessoas, mesmo as que não conhece. Gosta muito de comer, come sopa e papa como se sempre o tivesse feito e nunca se queixa da fruta, só não liga muito a banana. Nunca gostou de chuchas apesar de ter experimentado mais de meia dúzia delas, todas diferentes. Agora deu para chuchar no polegar quando tem sono e, se está ao nosso colo, é vê-la a encostar a cabecinha ao ombro e a por o dedo na boca. Felizmente, não está sempre nisso, acho que é apenas uma forma que ela arranjou de se consolar sozinha. 

Ser mãe é tão bom. E ter uma família é ter o melhor do mundo. 

quarta-feira, 13 de Agosto de 2014

Seis meses


Fez seis meses no dia sete. Seis meses que passaram tão depressa e que nem me deram tempo para respirar com mais calma. 
A maternidade é mesmo assim, faz-nos ficar ofegantes de tantas emoções juntas. 

[nesta fotografia está vestida com com o meu vestido de batismo, um vestido pequenino e simples que a minha mãe guardou e que eu sempre disse que um dia iria vestir à minha filha - eu sabia que ia ter uma filha...]