sábado, 13 de dezembro de 2014

...

Estes três primeiros meses de trabalho passaram a correr. Desde Setembro que vejo os dias a voar e de repente estou aqui, em pleno Dezembro, às portas do Natal.
Na escola continua a haver muito trabalho, para além das aulas, há cada vez mais papelada para preencher, para apresentar, objetivos a atingir, metas para ultrapassar. Os programas mudaram e estão cada vez mais exigentes e vejo-me num segundo ano de escolaridade a "dar" frações, conceito que no meu tempo aprendi no quinto ano. Às vezes pergunto-me se há necessidade de tanta exigência, de ensinar conteúdos tão complexos assim, tão cedo... 
Terça-feira é o último dia de aulas, ando aqui de volta dos testes e das avaliações  e ainda tenho uma árvore de Natal para fazer para a creche da Carolina. As prendas de Natal já estão todas tratadas mas falta o principal, preparar a noite e o dia de Natal que, desta vez,  vão ser cá em casa. :) Estou muito contente que assim seja apesar de termos mais trabalho, mas não faz mal.  Preciso de encomendar o peru, decidir que sobremesas faço e preparar a decoração da sala. A minha mãe e a minha sogra ajudam com a ceia de Natal e o meu sogro faz algumas das sobremesas  - torta de laranja, sonhos e coscorões. O meu pai trata do vinho e a minha irmã também vai dar uma mãozinha, nem que seja para tomar conta da Carolina enquanto andarmos nesta azáfama. Tenho pena de não estar com os meus avós e tios no norte mas era muito complicado este ano passar cá a noite de Natal e ir no dia seguinte para a aldeia. Talvez para o ano. 
Este vai ser o primeiro Natal da Carolina e apesar dela apenas ter 10 meses, quero que seja inesquecível. 

sábado, 29 de novembro de 2014

Dia de ação de graças (já passou mas não faz mal)

Todos os dias agradeço. Todos os dias sinto-me grata. Pela minha filha, pela minha família, pela saúde que tenho, pelo trabalho, por existir. Todos os dias. 

[E tenho pena que este dia tão popular nos Estrados Unidos não se comemore entre nós]

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

...

Ontem fiquei em casa. Febre de 39 graus, dores de garganta e dores no corpo fizeram-me faltar à escola. Já me sentia mal desde segunda-feira mas andei a adiar, a enganar-me com Brufen e analgésicos e deu nisto - antibiótico durante três dias e mais repouso. Foi a motivação que faltava para escrever hoje.

Desapareci durante dois meses. Duas pessoas comentaram o meu desaparecimento, lembraram-se de mim e fiquei de lágrimas nos olhos, comovida. Ando assim, pareço um vidrinho e quebro com uma facilidade que só visto. Acho mesmo que esta laringite que me atacou se deve a isso mesmo, ao meu estado de espírito. De qualquer forma, voltei. Não sei se tenho muito para dizer mas preciso disto, deste momento em que organizo as ideias na minha cabeça e escrevo um bocadinho. O tempo é escasso para tudo o que é preciso fazer em casa, o sono é muito, a vontade em parar em frente ao sofá com uma manta em cima é grande mas a maior parte das vezes é impossível fazê-lo. Ainda preciso de saber parar mais vezes quando há dez minutos livres ou quando a Carolina dorme, em vez de me por a fazer tudo e mais alguma coisa.
Entretanto a Carolina cresce. Está com 9 meses e enternece-me a cada dia que passa. Podia descrever aqui o rol de gracinhas que faz, aquilo que evoluiu mas isso não vos interessa para nada. 
Mais do que organizar os meus dias, preciso de assentar ideias, perceber o que quero e não quero, criar objetivos, sonhar mais e pensar em mim também. Não tem sido fácil, mas também não esperava que o fosse. 

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Frágil

Há dias menos bons, dias assim-assim, dias sem nada para contar. Há dias em que me apetece chorar, chorar o tempo todo, dias em que não quero estar para ninguém, dias em que tudo me parece estranho, em que não me apetece falar. Há dias em que sinto que ao mínimo toque parto-me, desfaço-me em mil pedacinhos, dias em que estou frágil. É isto, estou e sinto-me frágil. Como na música. Estou a chegar àquela altura que ouvia verbalizar a todas as mães: querer chegar a todo o lado e não o conseguir fazer. Preciso de tempo para estar com a minha filha, com o meu mais que tudo. Preciso de preparar aulas para a escola, pesquisar atividades e fazer coisas diferentes. Preciso de tempo para mim, sozinha, para as minhas coisas. Preciso de organizar as compras, os talões de desconto, ver as promoções. Preciso de cozinhar, de me alimentar de forma mais saudável, de encontrar receitas vegetarianas. Preciso que não me doam as costas e as pernas todos os dias. Preciso de fazer exercício físico, de correr. Preciso de me sentir bonita. De comprar alguma roupa para mim. Preciso de não sentir este cansaço constante (e a ano ainda agora começou). Preciso de parar, de chorar e ter apenas uma mão no ombro. Preciso de ser eu própria, sem rodeios ou justificações. Preciso de estar bem para estar bem com os outros. Preciso de agir, de arranjar motivação e inspiração. 

 inspiro
 expiro

Amanhã é outro dia. É segunda - feira, mas não faz mal.

domingo, 14 de setembro de 2014

Novas rotinas

Setembro é o mês de voltar às rotinas. Para mim e agora que temos uma bebé, é um mês para descobrir novas rotinas. 
Tinha algum receio da adaptação da Carolina à creche mas, felizmente, tem-se revelado um processo natural e calmo. Nos primeiros dias, no fim de agosto, só esteve duas horas da parte da manhã; mais tarde foi ficando mais uma ou duas horas e nestes últimos dias já tem feito o horário normal. Fica sempre bem quando a deixo e se nos dois primeiros dias choramingou quando a ia buscar, agora larga um sorriso de felicidade que me deixa enternecida. Todos os dias falo com a educadora e só me tem dito coisas boas: dorme e come bem, palra muito e brinca bastante. Refila quando os adultos se afastam um pouco e choraminga um bocadinho quando ouve os gritos de outros bebés. Nada de anormal, portanto. Começo a estar mais tranquila e só o facto da creche estar a 3 minutos de carro do meu local de trabalho, é meio caminho andado para andar mais descansada. 
Em casa as rotinas tiveram que mudar: os horários da Carolina mantiveram-se, nós é que tivemos de nos organizar de outra forma para conseguir chegar a tudo o que é necessário. Apesar de sair mais cedo da escola devido à hora de amamentação, ainda tenho a coordenação do estabelecimento para fazer e preciso também de tempo para preparar as aulas. Este ano não posso preparar nada na escola, restam-me as noites durante a semana e os fins de semana... veremos como tudo vai correr: Até agora tenho conseguido gerir mais ou menos os dias mas a partir de amanhã tudo é mais rigoroso em termos de horários. 
Para além do cansaço de quem não dorme 7 horas por dia, as minhas pernas e pés têm-se ressentido e ao fim do dia estou cheia de dores, apesar das massagens dadas pelo R. Acho que precisava de alguma coisa que me aliviasse mas não posso colocar nada  visto ainda dar de mamar. Dormir de pernas para cima também não é solução pois simplesmente não consigo adormecer e os duches de água fria só aliviam na hora. Só espero que passe e já dou por mim a desejar que venha o tempo mais fresco. Estou fartinha deste calor esquisito!
Amanhã começam as aulas e diga-se em abono da verdade, estou com saudades dos meus alunos. 
Bom ano letivo para todos!

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Um post com tomates


O tomate que trouxe da horta do meu pai já amadureceu bem. E agora? Compota de tomate para o ano inteiro ou molho de tomate para uns meses?